País tem ferramentas de auxílio que podem ser usadas em 2021 dentro do teto, diz Guedes

FONTE REUTERS – Matéria publicada em 11 de dezembro de 2020

Foto: Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de seminário em Brasília 08/12/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino

By Reuters Staff

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira que, apesar de a concessão do auxílio emergencial chegar ao fim em 31 de dezembro, o país dispõe de ferramentas de assistência, dentro do teto de gastos, que podem ser utilizadas no ano de 2021, caso necessário.

“Temos capacidade de antecipar benefícios, diferir pagamentos, várias ferramentas que vão nos permitir calibrar aterrissagem lá na frente”, afirmou Guedes em audiência pública remota da Comissão Mista da Covid-19.

O ministro também pontuou que esses mecanismos já haviam sido utilizados antes da aprovação da chamada PEC de Guerra, aprovada durante a pandemia.

Também em suas falas, o titular da pasta econômica ressaltou que o teto continua a ser mantido como âncora fiscal no país em razão de não haver mecanismo de desindexação das despesas. “Precisamos de um símbolo de teto para a frente”, afirmou.

 

Por Gabriel Ponte

 

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: