Ministro Bento Albuquerque garante que mistura de biodiesel no diesel chegará a 15% em 2023

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 10 de agosto de 2021

Após mais de 15 anos do início do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel, o mercado brasileiro desse biocombustível evoluiu e atingiu a sua maturidade. Essa situação reflete o aumento de produção de quase 9% a partir de 2019, atingindo o expressivo volume comercializado de 6,4 bilhões de litros em 2020. E temos a previsão que a produção alcançará 9 bilhões de litros em 2023 com o B15 [em referência aos 15% de mistura ao diesel]”, declarou.

Para lembrar, no ano passado, o percentual de mistura foi reduzido para 10% devido à pandemia e ao preço de óleo de soja. Em setembro, a participação do biodiesel no diesel sairá dos atuais 10% para 12%, após decisão do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). Pelo cronograma instituído pelo conselho, a mistura obrigatória do biodiesel no diesel fóssil deve ser de 14% em março de 2022 e de 15% no ano seguinte.

Durante sua fala na II Biodiesel Week, Albuquerque comentou ainda sobre o papel do biodiesel no programa Biocombustíveis do Futuro, lançado recentemente pelo governo: “No Ciclo Diesel trataremos dos problemas sustentáveis e de baixo carbono, como o próprio biodiesel, além do diesel verde, e dos combustíveis sintéticos. Criaremos as condições necessárias para a introdução do bioquerosene de aviação na matriz de transporte do país”, explicou.

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 10 de agosto de 2021

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, voltou a garantir para o setor de biocombustíveis que a mistura de biodiesel ao diesel chegará ao patamar de 15% em 2023. A declaração de Albuquerque aconteceu durante o evento II Biodiesel Week, que começou nesta semana e será realizado até sexta-feira (13). Ele também comentou durante o encontro a previsão de crescimento na produção de biodiesel do país prevista até 2023.

“Após mais de 15 anos do início do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel, o mercado brasileiro desse biocombustível evoluiu e atingiu a sua maturidade. Essa situação reflete o aumento de produção de quase 9% a partir de 2019, atingindo o expressivo volume comercializado de 6,4 bilhões de litros em 2020. E temos a previsão que a produção alcançará 9 bilhões de litros em 2023 com o B15 [em referência aos 15% de mistura ao diesel]”, declarou.

Para lembrar, no ano passado, o percentual de mistura foi reduzido para 10% devido à pandemia e ao preço de óleo de soja. Em setembro, a participação do biodiesel no diesel sairá dos atuais 10% para 12%, após decisão do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). Pelo cronograma instituído pelo conselho, a mistura obrigatória do biodiesel no diesel fóssil deve ser de 14% em março de 2022 e de 15% no ano seguinte.

Durante sua fala na II Biodiesel Week, Albuquerque comentou ainda sobre o papel do biodiesel no programa Biocombustíveis do Futuro, lançado recentemente pelo governo: “No Ciclo Diesel trataremos dos problemas sustentáveis e de baixo carbono, como o próprio biodiesel, além do diesel verde, e dos combustíveis sintéticos. Criaremos as condições necessárias para a introdução do bioquerosene de aviação na matriz de transporte do país”, explicou.

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: