Críticas de Gilmar Mendes precisam ser ouvidas com atenção, diz Rodrigo Maia

FONTE JORNAL DO BRASIL – Matéria publicada em 25 de agosto de 2016

Foto: “Nós temos dois ouvidos pra ouvir muito, principalmente pessoas com a qualidade do ministro Gilmar”

Presidente da Câmara dos Deputados teve reunião com ministro do STF nesta quinta.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu nesta quinta-feira (25) que as críticas do ministro do STF Gilmar Mendes às dez medidas contra corrupção propostas pelo Ministério Público devem ser ouvidas com atenção pelos deputados federais, que analisam o tema no Congresso.

“Toda vez que o ministro Gilmar Mendes faz críticas, elas precisam ser ouvidas com muita atenção por todos, principalmente pelo relator das dez medidas”, disse Maia após reunião de quase uma hora com Gilmar Mendes no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que é presidido pelo ministro.

Em relação às críticas diretas feitas por Mendes aos procuradores da Lava Jato, Maia também apontou que “elas precisam ser muito bem ouvidas”. “Nós temos dois ouvidos pra ouvir muito, principalmente pessoas com a qualidade do ministro Gilmar Mendes.”

>> Marco Aurélio: é preciso apurar vazamento de delação de executivo da OAS

Gilmar Mendes criticou os procuradores da Lava Jato nesta segunda-feira (23), afirmando que eles não poderiam se achar o “ó do borogodó” e que deveriam calçar “as sandálias da humildade”.  A atitude foi uma reação ao vazamento da informação de que o ministro do STF Dias Toffolli teria sido citado em delação premiada negociada pelo presidente da empreiteira OAS, Léo Pinheiro, com o Ministério Público.

Na ocasião, Mendes também criticou as dez medidas de combate à corrupção propostas pelo MPF, em especial a que prevê a validação de provas colhidas de maneira ilícita, de boa-fé: “Veja as dez propostas que apresentaram. Uma delas que diz que prova ilícita feita de boa-fé deve ser validada. Quem faz uma proposta dessa não conhece nada de um sistema”.

Como o MPF colheu mais de 2 milhões de assinaturas a favor das dez medidas, a Câmara teve que instalar uma comissão especial para discutir projetos de lei derivados das propostas. O próprio juiz Sergio Moro, responsável pela Lava-Jato na primeira instância, compareceu neste mês ao colegiado e defendeu o uso das provas ilícitas.

Impeachment

Sobre o julgamento final do processo de impeachment da presidenta afastada Dilma Rousseff, que teve início quinta-feira (25) no Senado, Maia disse que esse é “o fim de um processo que está fazendo o Brasil sangrar muito”. “Encerrar o processo é fundamental.”

“O alongamento desse processo gerou um aprofundamento de uma crise que já era muito grande no momento em que a presidente foi afastada pela primeira vez no Senado”, completou o presidente da Câmara dos Deputados.

Cassação de Cunha

Maia disse ainda acreditar que haverá quórum suficiente para votar a cassação do mandato do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no plenário da Câmara. A apreciação do parecer a favor da cassação está marcada para 12 de setembro, uma segunda-feira, dia da semana em que tradicionalmente há uma baixa presença de deputados em Brasília.

“Esta semana deu 480 deputados numa semana de eleição. Setembro eu acho que o quórum vai ser parecido. É a minha opinião, acho que vai ser alto”, afirmou Maia.

 

* Da Agência Brasil

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: