Novo plano estratégico da Petrobrás prevê investimentos de US$ 55 bilhões e 13 novos FPSOs até 2025

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 26 de novembro de 2020

Os novos tempos no setor de óleo e gás pesaram na hora da diretoria da Petrobrás elaborar seu novo planejamento estratégico para o período entre 2021-2025.

A estatal divulgou na madrugada de hoje (26) que seu Conselho de Administração bateu o martelo e aprovou o documento, que prevê investimentos de US$ 55 bilhões para os próximos cinco anos. O volume de recursos é 27,4% menor na comparação com a versão inicial do planejamento estratégico anterior, anunciado em novembro de 2019, que apontava para investimentos de US$ 75,7 bilhões.

Do total de recursos aprovados entre 2021 e 2025, a maior fatia, como era de se esperar, vai para a área de exploração e produção (E&P), que receberá uma parcela de US$ 46 bilhões. Isso representa 84% dos recursos previstos no plano. O pré-sal ficará com a maior parte destinada ao segmento de E&P, com investimentos que chegarão a US$ 32 bilhões, de acordo com a estatal.

No mundo pós-Covid 19, a palavra de ordem dentro da Petrobrás é resiliência. Por isso, a aprovação de novos projetos de exploração da petroleira dependerá da resistência desses empreendimentos em cenários de preço baixo de barril. Segundo o novo plano da companhia, serão aprovados apenas os projetos que são resilientes ao preço de petróleo Brent de US$ 35 por barril.

   Previsão do aumento de produção da Petrobrás até 2025 – clique para ampliar

Tendo esse cenário em mente, a Petrobrás espera iniciar a produção de 13 novas plataformas nos próximos cinco anos. Obviamente, todas serão instaladas em águas profundas e ultra profundas, tendo em vista que a empresa declara aos quatro cantos que seu foco será em ativos desse tipo, deixando de lado as áreas de águas rasas e terrestres. Com esse planejamento em mente, a estatal acredita que chegará a uma produção total de 3,3 milhões de barris de óleo equivalente em 2025, conforme ilustra o gráfico ao lado.

Falando sobre o aspecto financeiro, a companhia planeja terminar o ano de 2021 com uma dívida bruta de US$ 67 milhões – sendo essa uma de suas métricas de topo. Nesse ano, a empresa conseguiu reduzir o seu endividamento em US$ 31 bilhões. Para 2022, a ideia da estatal é conseguir bater a meta de US$ 60 bilhões de dívida bruta. Outra métrica de topo da Petrobrás será a taxa de acidentes registráveis por milhão de homens-hora (TAR), que agora está para abaixo de 0,7.

   Metas ambientais da Petrobrás em seu novo plano estratégico – clique para ampliar

Em relação ao tema de sustentabilidade e meio ambiente, algumas das principais metas são a redução das emissões absolutas totais em 25% até 2030, zero queima de rotina em flare até 2030, redução de 32% na intensidade de carbono no E&P até 2025, entre outras. Todos os objetivos relacionados a esse tema estão detalhados na tabela ao lado.

Por fim, a Petrobrás disse que seu novo planejamento estratégico está sustentado em cinco pilares fundamentais: (i) Maximização do retorno sobre o capital empregado; (ii) Redução do custo de capital; (iii) Busca incessante por custos baixos e eficiência; (iv) Meritocracia e (v) Segurança, saúde, respeito às pessoas e ao meio ambiente.

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: