Crise da Covid-19 pode reduzir em um quarto a frota de perfuração offshore

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 27 de outubro de 2020

Uma nova análise divulgada nesta semana pela Rystad Energy indica que a crise desencadeada pela Covid-19 pode acelerar a redução da frota global de unidades offshore de perfuração.

Segundo a empresa de pesquisa, até 59 das 213 sondas de perfuração são candidatas a desativação. Desse total, 22 são navios-sonda e outras 37 são unidades semissubmersíveis. Esse número equivale a um quarto da frota mundial de embarcações de perfuração.

A Rystad diz que a demanda global por sondas estava se recuperando antes da pandemia, mas agora deve permanecer sob pressão até 2022. “Naturalmente, a demanda fraca manterá a utilização em níveis baixos, a menos que vejamos um aumento significativo no preço do petróleo”, projetou.

A empresa criou três cenários para os próximos anos. No mais otimista, a utilização da frota pode chegar a 77% em 2023 se todos os 59 flutuadores identificados pela Rystad Energy forem aposentados e nenhuma nova construção entregue. No intermediário, a taxa cairia para 69% caso todas as 25 novas sondas esperadas até 2023 entrarem em operação.

Por fim, no cenário mais pessimista, acontecerá a entrega das novas sondas, mas não a retirada total das 59 plataformas mais antigas. Assim, a utilização pode cair para 52%, dependendo de quantas embarcações forem desativadas.

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: