‘The Economist’: Dólar forte é um problema mundial

FONTE JORNAL DO BRASIL – Matéria publicada em 05 de dezembro de 2016

Foto: Reprodução site The Economist

Artigo analisa o que a recente força do dólar significa para a economia global

Quando os historiadores da economia olham para trás nos anos que se seguiram à crise financeira global, eles podem refletir sobre o momento exato em que o boom do dólar oriundo de empréstimos offshore chegou ao seu ponto culimante, descreve o texto de The Economist. Foi em setembro de 2012, quando a Zâmbia emitiu o seu déficit em Eurobond (denominação em dólar), com um rendimento de 5,4%, e recebeu US $ 12 bilhões em pedidos? Talvez tenha sido um ano mais tarde, quando os investidores engoliram uma emissão de 850 milhões de euros por um empreendimento de pesca de atum patrocinado pelo Estado em Moçambique.

The Economist diz que a Petrobras emitiu US $ 11 bilhões em títulos de dez anos em maio de 2013, um recorde para uma empresa emergente, com um rendimento de 4,35%. Os investidores tinham razão para lamentar essas compras, mesmo antes do último aumento do dólar. Entre 9 de novembro, quando Donald Trump ganhou as eleições presidenciais na América, e o feriado de Ação de Graças, o dólar subiu 3% com relação a muitas moedas de países ricos. Esse salto em tão pouco tempo é raro. A compulsão do dólar durante esses anos ajuda a explicar por que o dólar recuou tão fortemente.

> > The Economist The dollar’s strength is a problem for the world

No final do ano passado, governos e empresas fora dos Estados Unidos haviam acumulado US $ 9,7 trilhões de dívidas denominadas em dólares, de acordo com o Banco de Pagamentos Internacionais (BIS). Desse total, US $ 3,3 trn eram dívidas de empréstimos em mercados emergentes, muitos dos quais estavam nos balanços das empresas. Em países com dívidas em moeda estrangeira, a taxa de câmbio atua como um amplificador financeiro.

O artigo de Economist analisa que o mais recente leg-up no dólar tem uma causa específica. Os investidores esperam que Trump encontre um entendimento com o Congresso sobre cortes nos impostos corporativos e aumentos nos gastos com infra-estrutura.

Um alarde fiscal pode impulsionar o Federal Reserve a aumentar as taxas de juros mais rapidamente, retirar o capital de volta para a América e levantar o dólar. Se os cortes no imposto sobre as empresas estimularem as multinacionais a repatriar a pilha de ganhos que até então mantiveram no exterior, ele irá aumentar ainda mais o dólar, opina The Economist.

A política monetária na zona do euro permanecerá fácil. Espera-se que o Banco Central Europeu estenda seu programa de compra de títulos em sua próxima grande reunião política, em 8 de dezembro. E a eleição de Trump é um “presente” para o Banco do Japão, diz Paul Sheard, da S & P Global. Em setembro, comprometeu-se a superar sua meta de inflação de 2%. Um iene mais fraco ajuda; Nas semanas após a eleição de Trump, caiu 7%, observa The Economist.

Se um forte dólar é aplaudido em Tóquio e Frankfurt, é um pouco menos bem-vindo nos mercados emergentes por três razões. Em primeiro lugar, quedas acentuadas nas moedas pressionam os bancos centrais a elevar as taxas de juros, tanto para evitar novas depreciações quanto para conter a inflação resultante. O banco central da Turquia elevou as taxas de juros em 24 de novembro, em resposta a uma queda da lira para um mínimo histórico contra o dólar, por exemplo.

Em segundo lugar, um dólar mais forte também tem um impacto indireto sobre as condições de crédito nos mercados emergentes. Um estudo de Valentina Bruno da American University em Washington e Hyun Song Shin, do BIS, descobriu que essas empresas de mercados emergentes capazes de emprestar em dólares agem como empresas financeiras de substituição. Um dólar de reforço, em contraste, provoca um aperto geral do crédito nos mercados emergentes.

Um terceiro efeito vem do legado de empréstimos do dólar passado. À medida que as empresas se apressam a pagar suas dívidas em dólares, que se tornam cada vez maiores em termos de moeda nacional, provavelmente reduzirão o investimento e os empregos, explica o editorial da britânica The Economist.

O impacto de um dólar mais forte é evidente também nas finanças do mundo rico. Para os contratos de dólar-iene em três meses, ele explodiu para quase 0,9%. Isso significa que as empresas e os bancos estão pagando muito mais do que o normal para comprar dólares com o risco cambial hedged. O custo de hedging parece subir com a subida do dólar, define The Economist.

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: