Shell Brasil desenvolve solução com inteligência artificial para identificar fadiga e aumentar a segurança dos seus trabalhadores onshore e offshore

FONTE PETRONOTÌCIAS – Matéria publicada em 08 de julho de 2021

A Shell Brasil está dando um passo importante para aprimorar a segurança das operações e dos trabalhadores da indústria de Óleo & Gás e Energia. Em parceria com o Senai e com a startup Dersalis, do Espírito Santo, a companhia está desenvolvendo um projeto inovador para uso de inteligência artificial para predizer eventos de risco humano, através de uma pulseira inteligente.

A iniciativa, que faz parte do programa de Pesquisa e Desenvolvimento da Shell Brasil, tem o objetivo de compreender melhor a fadiga e os riscos de queda durante a jornada de trabalho, contribuindo para mais segurança e conforto dos funcionários. A pulseira inteligente foi programada a interagir por meio de alertas diretamente com o colaborador, mesmo em ambiente sem conectividade. A empresa diz que “é  uma solução tecnológica que auxilia no desempenho das atividades laborais de maneira segura, agindo com previsibilidade ao informar estágios gradativos de cansaço, além de indicar movimentos bruscos sugestivos de queda para evitar acidentes de trabalho.”

Este projeto nos enche de orgulho, pois trabalha com diretrizes que a Shell Brasil considera fundamentais: Pesquisa & Desenvolvimento, incentivo às startups e saúde e segurança dos nossos colaboradores e das operações. Os primeiros resultados são animadores e acreditamos que, juntamente aos parceiros, poderemos fazer a diferença na indústria com essa nova tecnologia”, disse a assessora Sênior de Parcerias e Startups da Shell Brasil, Carolina Rio (foto à direita).

O projeto, em fase de testes, está coletando e processando dados biométricos reais de funcionários na fábrica de lubrificantes da Shell Brasil, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Com previsão de duração de maio a agosto deste ano, o piloto visa compreender melhor a fadiga e os riscos de queda durante a jornada de trabalho. Os testes ocorrem apenas durante as atividades laborais e a ferramenta utilizada garante a confidencialidade dos dados dos usuários.

Depois de um período inicial de calibragem do equipamento, os trabalhadores começaram a receber alertas e indicações sobre seus níveis de fadiga. Em seguida, a interação aumenta a partir da ativação de funcionalidade que permite que cada um indique a sua percepção individual do cansaço, ajudando a compreender melhor os diferentes estágios da fadiga, ajustando os padrões de análise e a predição de fatores de risco.

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: