Porto de Paranaguá precisa de R$ 1,3 bilhão para eliminar gargalos, diz estudo da CNI

FONTE: CIDADE BIZ

O Porto de Paranaguá, no Paraná, precisa de R$ 1,3 bilhão em investimentos, até 2020, para eliminar os gargalos em sua estrutura e nas vias de acesso rodoviário e ferroviário. A estimativa é do estudo Projeto Sul Competitivo, elaborado pela Confederação Nacional da Indústria em conjunto com as federações da indústria do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Sem esses investimentos na ampliação da capacidade de movimentação de cargas e no sistema viário, aponta o documento, Paranaguá deve se tornar o porto mais congestionado da região Sul até o fim da década.

O Projeto Sul Competitivo lista dez obras prioritárias para serem executadas no Porto de Paranaguá, segunda principal rota de exportação da produção agrícola do Centro-Oeste, depois do Porto de Santos (SP). As mais urgentes são a construção de um novo píer, em formato “T”, para granéis sólidos (R$ 300 milhões) e de dois novos armazéns graneleiros (R$ 155 milhões). Essas duas obras ajudariam a solucionar os problemas decorrentes de supersafras de soja e milho, como a última colhida no país, segundo o estudo. A falta de estrutura do porto, aliada a um longo período de chuvas,  resultou numa longa fila de navios à espera de embarcar os grãos no porto paranaense.

Rotas de acesso – O estudo calcula em R$ 34 milhões o investimento necessário para ampliar os acessos rodoviários ao Porto de Paranaguá e reduzir o congestionamento de caminhões à espera do descarregamento. Mas a obra com maior impacto positivo para o sistema logístico seria a construção de uma ferrovia ligando o Mato Grosso do Sul ao Porto de Paranaguá, desde a cidade de Maracaju, passando por Guaíra, Cascavel e Guarapuava. Esse projeto permitiria a transferência da carga hoje transportada sobre as rodovias – que respondem por 75% da carga movimentada até o porto – para o modal sobre trilhos, mais barato e eficiente.

Outro problema identificado pelo Projeto Sul Competitivo é o atual estado de saturação de importantes rotas de acesso ao porto paranaense. Ligação entre Curitiba e o litoral, a BR-227 opera 118% acima de sua capacidade (49,3 mil toneladas/dia) e, se nada for feito até 2020, a saturação chegará a 183%. O trecho ferroviário entre a capital e o porto também está sobrecarregado, operando 107% acima de sua capacidade e com estimativa de saturação de 166% (66,8 mil de toneladas/dia) em 2020.

As dez obras indicadas para eliminar gargalos do Porto de Paranaguá:

• Adequação dos acessos rodoviários: R$ 34 milhões.
• Ampliação do pátio de triagem do porto: R$ 55 milhões.
• Construção de novo píer para carga geral: R$ 270 milhões.
• Construção de novo píer para granéis sólidos: R$ 300 milhões.
• Ampliação do cais de inflamáveis: R$ 303 milhões.
• Ampliação do pátio e construção de novo berço para contêineres: R$ 50 milhões.
• Construção de dois novos armazéns graneleiros: R$ 155 milhões.
• Dragagem de manutenção: R$ 100 milhões.
• Aprofundamento do canal de acesso: R$ 53,2 milhões.
• Derrocagem no porto: R$ 28 milhões.
>> Total: R$ 1,348 bilhão

O projeto Sul Competitivo faz parte de uma série de estudos elaborados pela CNI e as federações dos estados para identificar os gargalos em cada uma das cinco regiões brasileiras.

Os comentários estão encerrados.

AllEscort