Nova Engevix espera criar 600 novos empregos no estaleiro Rio Grande depois de diversificar serviços

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 25 de novembro de 2020

A Nova Engevix, presidida por Luís Fernando Pugliesi, está indo melhor do que se esperava.

Havia um grande ceticismo em torno do futuro do Estaleiro Rio Grande, que entrou em recuperação judicial em 2016.  Uma diversificação das atividades, renovou o ânimo da empresa e gerou uma centena de postos de trabalho ao longo de 2020, apesar da pandemia que paralisou as atividades econômicas em todo país. Foi possível contratar para frentes de trabalho em desmontagem de embarcações, construção e reparação naval e na utilização do local como terminal portuário. Para 2021, há expectativa de geração de 600 empregos diretos, somados aos postos de trabalho existentes.

A efetivação do potencial depende da confirmação de propostas feitas pela Ecovix. Neste mês, as instalações em Rio Grande receberam visita técnica de um grupo empresarial holandês, que avalia a utilização do local para desmantelar uma embarcação. Ricardo Ávila, diretor operacional da Ecovix, informa que nos últimos 18 meses foram desmontadas cerca de 100 mil toneladas de estruturas. Esse mercado, segundo a empresa, tem um potencial de movimentar R$ 90 bilhões nos próximos 10 anos. Também há um esforço da companhia para transformar as instalações em um polo para descomissionar embarcações, especialmente as que tenham infestação por coral-sol. Esse organismo, nocivo aos ecossistemas costeiros brasileiros, segundo a empresa, impede que navios e plataformas ancoradas em alto mar sejam levadas à costa para serem desmontadas.

Estudos preliminares da empresa indicam que Rio Grande pode ser um dos portos livres do organismo, por características como salinidade, temperatura e baixo nível de transparência da água. Os estudos podem abrir caminho para o desmantelamento de plataformas antigas que operavam na Bacia de Campos, como a P-7, P-12 e P-15. Em outras frentes, a Ecovix avança para habilitar o terminal para atividades portuárias. Nos últimos três anos, foram movimentadas mais de 120 mil toneladas de mercadorias. Em setembro, ocorreu no estaleiro o maior embarque de animais vivos da história do local, com 26 mil cabeças de gado exportadas para Turquia e Líbano. Caso ocorra a habilitação, a empresa estima a geração de cerca de 50 empregos diretos, com expectativa de movimentar 1,5 milhão de toneladas de carga ao ano. A empresa trabalha ainda em processos relacionados à construção e à reparação naval, em parceria com o grupo UTC.

 

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: