Mais cético com o Brasil, grande investidor observa endividamento

FONTE: FOLHA DE SÃO PAULO

13296841

Um novo estudo mapeou as causas da insônia do megainvestidor internacional.

Algumas delas: e se um ataque ao Irã repercutir no preço do petróleo? E se as desavenças comerciais entre EUA e China crescerem?

No caso do Brasil, a grande questão que se colocou foi sobre o risco de o endividamento atual das famílias se mostrar insustentável.

O trabalho do Economist Intelligence Unit, braço da revista britânica “The Economist”, pediu que 730 investidores pelo mundo avaliassem o impacto de diferentes eventos nos resultados das suas aplicações, e também mostrou o que eles desejam.

O investidor pedirá de Natal uma China mais aberta, a indústria americana se recuperando de vez ou Portugal arrumando suas contas e evitando o risco de levar a Europa junto para o buraco.

Os entrevistados foram presidentes, diretores e integrantes de conselhos de administração, principalmente os de bancos e de grandes fundos de pensão.

Apesar da defesa da austeridade no caso de Portugal, 65% dos investidores entrevistados concordaram que o aumento da desigualdade de renda oferece riscos ao futuro do capitalismo.

Ronen Schwartzman, presidente do Ten Capital Advisors, de Nova York, foi citado no estudo dizendo, por exemplo, que, com a classe média americana empobrecendo, haverá um enfraquecimento da economia danoso para todos.

RISCO EUROPEU

Na Europa, a julgar pela atual conjuntura, será lucro se a situação não piorar.

Os investidores estão preocupados com as políticas francesa e italiana -a perda de confiança nesses países poderia espalhar instabilidade pela Europa.

A esta altura, porém, apenas 22%, consideram provável que a Grécia saia do euro.

Na América Latina, além dos suspeitos de sempre -Venezuela e Bolívia, vistas como sem segurança jurídica alguma- e do endividamento das famílias brasileiras, os investidores comentaram outros dois problemas.

Um deles é a violência no México, que desagrega o país e causa instabilidade econômica. O outro é o descontrole inflacionário argentino.

“O grande investidor sabe que os países da América Latina não são todos iguais”, diz Janie Hulse, editora do estudo. “A Argentina, em comparação com o Brasil, tem criado uma imagem mais vinculada à Venezuela e a outros países problemáticos. O Brasil tem a sua inflação, mas não é nada comparável com o que há na Argentina.”

De qualquer forma, em 2011, 41% dos entrevistados achavam que o Brasil estava entre os três países com maior potencial de crescimento para o próximo ano. Na pesquisa atual, foram 29%.

MUITO DINHEIRO

Por fim, os entrevistados foram questionados sobre as consequências do excesso de liquidez atual -em outras palavras, o governo americano tem liberado uma quantidade imensa de dólares na economia, e esse dinheiro tem de ir para algum lugar.

O destino mais citado foi o aumento radical da dívida pública dos países ricos -os próprios Estados Unidos, principalmente. O investidores receiam que esse débito se torne grande demais.

Se ele ficar impagável, o que a Casa Branca poderia fazer seria dar um calote, com consequências impensáveis, ou tolerar maior inflação – a correção de preços, embora desorganize a economia e penalize especialmente os pobres, reduz o valor real da dívida. É um calote disfarçado.

Assim, os títulos públicos dos países ricos são campeões na categoria “ativo que deve se tornar mais arriscado no médio prazo”. Em segundo, o destino mais citado dessa liquidez foram as propriedades nos emergentes, como imóveis no Brasil.

Enquanto os investidores apontam o petróleo como um setor que oferece grandes oportunidade de lucros em vários lugares do mundo, na América Latina ele é deixado para trás pela agricultura
.
Se 44% dos entrevistados citam a agricultura, a indústria vai bem pior: só 2% dos megainvestidores consideraram uma boa ideia botar dinheiro nesse setor na América Latina. Europa, Estados Unidos e Ásia, por outro lado, têm, respectivamente, 12%, 11% e 16%.

EVENTO

Para debater isso, a “Economist” realiza hoje um encontro sobre o futuro da economia do país.

A ideia, segundo da revista britânica, é explorar o impacto da nova riqueza gerada no país por essa nova classe média e discutir os modelos de negócios que irão catalisar inovação e amplificar possibilidades.

Entre os palestrantes, estão Otavio Azevedo, presidente da Andrade Gutierrez, Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, David Marcus, presidente do PayPal.

O evento, que é pago, será realizado no hotel The Grand Hyatt, São Paulo, que fica na Avenida das Nações Unidas, 13.301, no Itaim Bibi, em São Paulo.

Mais informações sobre o evento podem ainda ser encontradas no site brazil2013-eorg.eventbrite.com.

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: