Justiça russa rejeita recurso de ativista argentina do Greenpeace

FONTE: FOLHA DE SÃO PAULO

A Justiça russa rejeitou nesta segunda-feira conceder liberdade sob pagamento de fiança à ativista argentina do Greenpeace Camila Speziale, que está em prisão preventiva na cidade de Murmansk com outros 29 ecologistas, entre eles a bióloga brasileira Ana Paula Maciel, acusados de pirataria.

Segundo informou o Greenpeace Rússia, o tribunal de Murmansk considerou legal sua detenção, por isso a jovem deverá permanecer na prisão pelo menos até 24 de novembro.

Este é o sétimo recurso de apelação rechaçado pela Justiça russa para libertar os ativistas mediante pagamento de fiança. Na semana passada, foi negada a soltura de quatro cidadãos russos e dois britânicos.

O tribunal também estudará hoje os recursos apresentados pelo italiano Cristian D’Alessandro, o neozelandês David Haussmann e o britânico Peter Willcox, capitão do barco Arctic Sunrise, no qual os ativistas organizaram o protesto contra exploração de petróleo no Ártico.

Fontes do Greenpeace disseram ontem à agência Efe que os ativistas não têm esperanças de serem libertados.

“Veem um panorama muito negro. Todos são acusados de pirataria e já foram rechaçados seis [apelações]”, disse Sol Gosetti, coordenadora de comunicação do Greenpeace, que esteve por vários dias na cidade de Murmansk.

Na audiência de hoje também foi rejeitado o pedido do advogado de Camila Speziale para que os membros do tribunal fossem trocados e não foi considerada a proposta do cônsul argentino, que garantiu pessoalmente que Camila não fugiria caso fosse solta, segundo informou o Greenpeace em seu Twitter.

Após a embarcação em que estavam ser rebocada para Murmansk, em 19 de setembro, os ecologistas foram levados para terra e sentenciados a dois meses de prisão preventiva, enquanto se desenrola o caso por suposta pirataria, delito punido com até 15 anos de prisão na Rússia.

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: