A refinaria modular da Oil Group no Porto do Açu deve iniciar as obras civis no segundo semestre de 2021

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 07 de janeiro de 2021

O convidado de Hoje do projeto Perspectivas 2021 é o Diretor de Downstream da Oil Group, Luiz Massa.

No ano passado ele sacudiu o mercado quando anunciou a decisão da empresa de construir uma refinaria no Porto do Açu, em São João da Barra (RJ), e assinou um memorando de entendimento com a EnP para viabilizar outra refinaria e uma fábrica de lubrificantes e asfalto no Espírito Santo. E aí, foi a pandemia que sacudiu os planos da companhia. As obras deveriam ter começado no último trimestre do ano passado, mas com a suspensão das atividades do INEA, o licenciamento ambiental atrasou. Com isso, os projetos foram postergados por pelo menos seis meses.

A refinaria que está sendo planejada será do tipo modular, com capacidade inicial de 20 mil barris/dia.  A ideia de uma refinaria modular é trazer um ganho de nicho e logístico. Ela é instalada em uma região próxima a um ponto produtor de petróleo, produz o derivado e distribui na região próxima. É um grande ganho na parte logística. Os outros projetos para o Espírito Santo ainda estão em fase embrionária, mas tudo leva a crer que 2021 será o ano das realizações. A companhia, segundo Luiz Massa, espera resolver o licenciamento até o meio do ano e dar tratos a bola, iniciando o projeto civil no final deste ano. Vamos saber agora, então, o que o diretor da Oil Group no Brasil pode revelar:

1- Como o senhor e a sua empresa reagiram a Pandemia, justamente quando a economia brasileira começava a subir?

 

-Realmente a pandemia nos pegou. Os nossos projetos foram todos adiados por aproximadamente seis meses. O nosso projeto principal no Porto do Açu, deveria ter iniciado o seu processo de licenciamento ambiental em março de 2020, mas o próprio INEA interrompeu suas atividades nesse período e só retornamos, juntamente com o INEA, com o projeto, com o início do licenciamento ambiental em setembro. Ou seja, foi muito difícil para nós em termos de cronograma, manter o cronograma por conta da pandemia. As demais atividades, os demais projetos, isso a gente conseguiu substituir através do home office. O home Office funcionou muito bem. Nos afastamos do escritório. Nós temos uma estrutura de TI muito bem formada. Tivemos oportunidades de prover todos os nossos profissionais em suas residências com os computadores ligados diretamente aos nossos servidores. O ritmo do escritório não se modificou. O que atrapalhou a gente em relação a 2020 foram os projetos onde dependíamos de entidades externas a empresa.

2- Quais são as perspectivas do senhor e da sua empresa para este ano?

– Esperamos a retomada total dos projetos de maneira prática, porque nós estamos em fase de licenciamento ambiental no Açu, e outros projetos que estamos desenvolvendo, estão em fase pré-conceitual ou conceitual. Esses projetos devem começar a se transformar em realidade agora este ano. Então, o Plano para 2021 no Porto Açu é seguir em frente com o licenciamento ambiental para conseguirmos até o meio do ano, desenvolver o projeto básico, terminar o projeto básico e ter o FED pronto na mão e estarmos preparados para o início das obras civis.

 

Esse é o projeto do Açu. Os demais projetos, deixam de ser materializados em forma de projeto conceitual e passam a se tornarem projetos na prática, com início da aquisição de terrenos, início de licenciamento ambiental etc.

3- Se o senhor fosse consultado quais as recomendações e sugestões faria para o governo federal?

– Eu acho que o governo está fazendo um bom trabalho, tentando enfrentar a crise. Esta crise a nível mundial nunca foi vista antes na sociedade moderna, mas esta mesma sociedade demonstrou a capacidade de combater a crise, não através de resiliência, mas o próprio alto investimento que foi feito em tecnologia para propiciar a continuidade da maioria das atividades. Muitas empresas sofreram. Muitas empresas ainda vão sofrer, os governos ainda vão sofrer. Mas é uma realidade da qual não podemos virar as costas. Nós temos que enfrentá-la de frente. Por isso, na minha opinião, o governo está fazendo um bom trabalho. Mas eu não saberia dizer, diante de tantas nuances, tantas opiniões, e tantos itens a serem resolvidos, como o governo poderia atuar melhor do que está atuando. É assim que eu penso.

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: