Poupança tem menor entrada líquida do ano em novembro, de R$ 1,48 bi

FONTE REUTERS – Matéria publicada em 04 de dezembro de 2020

Foto: 11/10/2010 REUTERS/Sergio Moraes

By Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) – A tradicional caderneta de poupança registrou captação líquida de 1,480 bilhão de reais em novembro, nono resultado consecutivo no azul, mas o mais fraco da sequência, informou o Banco Central nesta sexta-feira.

O ingresso foi inferior à entrada líquida de 2,426 bilhões de reais registrada no mesmo mês do ano passado.

Desta vez, houve saque líquido de 442,943 milhões de reais no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), o que não acontecia desde fevereiro. Na poupança rural, houve entrada de 1,923 bilhão de reais em novembro.

Em 2020 até aqui, o resultado da poupança só foi negativo em janeiro (-12,356 bilhões de reais) e fevereiro (-3,572 bilhões de reais). De março a outubro, os depósitos superaram os saques em todos os meses, com sucessivos resultados recordes para os períodos.

Isso ocorreu num ano marcado, de um lado, pela forte transferência de renda promovida pelo governo com o auxílio emergencial e, de outro, pelo quadro de juros básicos em patamares muito baixos.

Atualmente, a Selic está em 2% ao ano, sua mínima histórica. Essa realidade tornou a poupança –isenta de Imposto de Renda– uma modalidade mais competitiva de investimento ante tradicionais alternativas da renda fixa referenciadas na Selic, mas que, por serem tributadas, acabam entregando um rendimento similar ou mesmo inferior ao da poupança, considerando também a cobrança de taxas de administração.

Com o auxílio emergencial, maior iniciativa para enfrentamento à crise do coronavírus, o governo gastará 321,8 bilhões de reais neste ano, montante que abarca o pagamento de 600 reais aos beneficiários de abril a agosto, e de 300 reais de setembro a dezembro.

Em meio à queda do auxílio pela metade, os ingressos líquidos na poupança já tinham desacelerado fortemente em outubro (+7,017 bilhões de reais) frente a setembro (+13,229 bilhões de reais), embora ambos os resultados tenham sido os melhores para os meses da série do Banco Central.

No mês mais forte até aqui, a poupança chegou em maio a ter entrada líquida de 37,201 bilhões de reais.

No acumulado do ano, a captação líquida chegou a 145,708 bilhões de reais, recorde absoluto para o período na série histórica do BC iniciada em 1995. De janeiro a novembro do ano passado, a poupança sofreu resgate de 3,884 bilhões de reais.

 

Por Marcela Ayres

 

Os comentários estão encerrados.

%d blogueiros gostam disto: