LOG-IN TEM ATÉ O DIA 30 PARA RETIRAR TODOS OS CONTÊINERES QUE CAÍRAM NA BARRA DO PORTO DE SANTOS

Resseguradoras globais são abaladas por tempestades e terremotos
21/09/2017
Bovespa fecha em queda com ajuste e pressão de Vale apesar de dados econômicos favoráveis
21/09/2017

LOG-IN TEM ATÉ O DIA 30 PARA RETIRAR TODOS OS CONTÊINERES QUE CAÍRAM NA BARRA DO PORTO DE SANTOS

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 21 de setembro de 2017

Enquanto se preparava para iniciar o trabalho de remoção dos contêineres que caíram no mar  na Barra de Santos, a armado Log-in recebeu uma notícia nada agradável: a prefeitura de Guarujá decidiu multar a empresa pelo acidente: R$ 160 mil.

A multa, alega a prefeitura,  foi emitida por conta do grande volume de resíduos lançados nas praias e costões rochosos do município como consequência do acidente. Para o trabalho de resgate, a empresa vai entregar para as autoridades portuárias  um plano de específico para a retirada de cada uma das 38 caixas metálicas ainda perdidas. Dos 46 contêineres que caíram do navio Log-In Pantanal, oito boiaram no mesmo dia – e desses, quatro foram removidos pela empresa. As outras caixas metálicas foram saqueadas. Em seguida, a empresa iniciou o rastreamento do leito marítimo, com o objetivo de identificar o local onde os contêineres caíram. Alguns estão enterrados no leito. Há o caso de um contêiner que só tem 1 metro para fora do sedimento.  Em 11 de agosto, o navio Log-In Pantanal concluiu operações no terminal Embraport, e aguardava na barra para retornar ao complexo a fim de concluir seu carregamento na Brasil Terminal Portuário (BTP).  Enquanto esperava enfrentou uma forte ressaca no mar e os 46 contêineres caíram no mar.

Para a remoção dos contêineres, será utilizada uma balsa, que ficará fixada através de quatro âncoras no local onde os cofres forem encontrados. A embarcação saiu do Rio de Janeiro e já está  no Porto de Santos. Todo o processo depende das condições climáticas e da aprovação dos planos pelas autoridades do complexo marítimo. Alguns contêineres estão próximos ao canal de navegação, então pode ser que tenha que interditar o canal durante algum tempo. Por isso, é preciso  um cronograma sobre o que a empresa vai fazer.  As cargas dos contêineres se espalharam por um raio de 500 quilômetros, atingindo praias da região e até áreas de preservação ambiental. Em Guarujá, além de produtos, foram vistos contêineres boiando nas praias. O prazo dado pelo Instituto Brasileiro de Recursos Naturais Renováveis (Ibama) para o recolhimento dos contêineres termina  no próximo dia 30.

 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com