Leito do Canal do Estuário em Santos é alvo de estudo para ampliar profundidade de navegação

Gasolina da Petrobras atinge maior preço da era de reajustes, diesel renova máxima
12/04/2018
Meta de rombo primário de 2019 é mantida e de 2020 é piorada; governo vê PIB desacelerar em 2020 2021
12/04/2018

Leito do Canal do Estuário em Santos é alvo de estudo para ampliar profundidade de navegação

FONTE PORTOS E NAVIOS – Matéria publicada em 12 de abril de 2018

Técnicos da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) iniciaram um estudo para avaliar o leito do Canal do Estuário, que serve de via navegável para navios no Porto de Santos, no litoral de São Paulo. O objetivo é executar um projeto piloto para reduzir as limitações operacionais restritas à profundidade do complexo.

A iniciativa começou após o assunto ser discutido com a acadêmica Susana B. Vinzon, da área de Engenharia Costeira e Oceanográfica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na última terça-feira (10). A especialista tratou sobre lama fluída em canais de navegação, como a existente na região estuarina de Santos.

Segundo Susana, a lama pode ser considerada uma camada navegável, conforme critérios adotados pelo Permanent International Association of Navigation Congress (Pianc). Trata-se de uma entidade que normatiza métodos e aplicações para a engenharia portuária em todo o mundo, portanto considerada referência.

O presidente da Codesp, José Alex Oliva, diz que os estudos podem convencer a Autoridade Marítima, responsável por homologar o calado operacional (profundidade máxima de navegação no canal), a utilizar os parâmetros adotados pelo Pianc. “Para tal, precisamos ser arrojados e promover os estudos necessários”.

Segundo Oliva, a medida possibilitaria a navegação de navios maiores no cais santista em curto prazo. Na prática, conforme o representante da Autoridade Portuária, representa um ganho “significativo em produtividade, diminuição de custos com fretes e economia na manutenção da profundidade [dragagem]”.

Ainda conforme a Estatal, os portos de Roterdã, Nantes e Zeebruge, que possuem estuários com fundo de lama semelhantes ao de Santos, operam com essa camada como integrante da profundidade náutica. Técnicos locais constataram, após análises, que não há riscos para a manobrabilidade dos navios no cais.

O objetivo da Docas é realizar um projeto piloto para fazer a avaliação das reais condições do Estuário para ampliação dos calados. No estudo, técnicos vão avaliar a densidade da lama presente ao fundo do canal navegação para saber se há ou não possibilidade de ser utilizada como camada para navegação.

Fonte: G1

 

 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com