OPERAÇÃO MARÍTIMA QUE TROUXE A PLATAFORMA P-67 DA CHINA PARA O RIO DE JANEIRO É INÉDITA EM TODO MUNDO

Armadora Hamburg Sud publica relatório de sustentabilidade
20/07/2018
COMUNICAÇÃO DE DESCOBERTA DO BLOCO BM-S-8 PELA EQUINOR PODE SER A SEMENTE DE MAIS UM ESCÂNDALO NA PETROBRÁS
20/07/2018

OPERAÇÃO MARÍTIMA QUE TROUXE A PLATAFORMA P-67 DA CHINA PARA O RIO DE JANEIRO É INÉDITA EM TODO MUNDO

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 19 de julho de 2018

A chegada da Plataforma P-67 ao Rio de Janeiro, onde está está ancorada na Baia da Guanabara para os últimos ajustes antes de seguir para o Campo de Lula Norte, trouxe também uma operação inédita.  

Foi a maior operação de transporte de um navio plataforma já realizada no mundo, onde foi usado o navio Boka Vanguard. A embarcação saiu da China e levou 45 dias trazendo a P-67, plataforma de produção de petróleo da Petrobrás que irá operar nos campos de pré-sal da Bacia de Santos. O Boka Vanguard é um navio do tipo “Heavy Transport Vessel” (HTV) e tem 275 metros de comprimento e capacidade de transportar até 117 mil toneladas. Para se ter uma ideia da dimensão, o navio tem capacidade de transportar o peso equivalente a cerca de 300 aviões intercontinentais.

Os dois navios têm certificado de classificação (certificação técnica) do Bureau Veritas, líder mundial em Teste, Inspeção e Certificação (TIC). Sérgio Mello, Diretor de Desenvolvimento da divisão Maritima & Offshore do Grupo Bureau Veritas no Brasil disse que a “A classificação atesta a conformidade dos navios aos mais avançados critérios técnicos, com impactos positivos à segurança das operações, das pessoas e do meio ambiente. O Bureau Veritas tem em seu registro mais de 11.000 navios totalizando cerca de 117 milhões de toneladas de arqueação brutas classificadas e é um dos membros fundadores do IACS, o órgão que harmoniza regras e padrões técnicos internacionais na área marítima”.

 Primeira Sociedade Classificadora da história, o Bureau Veritas verifica e atesta a solidez e a segurança dos navios, que assim operam seguindo as melhores práticas e com menor risco ao meio ambiente, através de sua divisão Marítima e Offshore. As duas embarcações envolvidas nesta operação de “dry-tow” (reboque a seco, quando a plataforma vem sobre outro navio que a transporta) são classificadas pelo Bureau Veritas, que além da emissão dos certificados de Classe é também responsável pela emissão dos certificados exigidos pelas Autoridades Marítimas, tais como o Certificado de Prevenção da Poluição, Certificado de Segurança (MODU Code) e Certificado de Borda-Livre (linhas de carga).

 

 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com