Gim Argello esvaziou contas antes de ser preso pela Lava-Jato, diz Moro

ANP e CVM assinarão acordo de cooperação técnica
04/08/2016
DOF CONQUISTA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NAVIO-PLATAFORMA DA SHELL
04/08/2016

Gim Argello esvaziou contas antes de ser preso pela Lava-Jato, diz Moro

FONTE CORREIO BRAZILIENSE – 3 de agosto de 2016

Foto: Gim é acusado de corrupção, lavagem e pertinência à organização criminosa: ação penal em andamento

Eduardo Militão

Em resposta a pedido de habeas corpus, juiz Sérgio Moro diz que soltura de ex-senador aumenta risco de ele “ocultar seu patrimônio da ação da Justiça e de prosseguir em atos de lavagem de dinheiro”.

Detido desde abril no Complexo Médico Penal de Pinhais (PR), na região metropolitana da Curitiba, o ex-senador Gim Argello tirou todo o dinheiro que tinha no banco e em suas empresas antes de ter a prisão preventiva decretada pela Justiça. A atuação do ex-parlamentar do Distrito Federal é levantada pelo juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, em resposta a um pedido de habeas corpus apresentado pela defesa de Gim, em tramitação no Supremo Tribunal Federal.

Em ofício enviado ao ministro-relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, Moro sinaliza que Gim “esvaziou suas contas-correntes e de suas empresas antes da efetivação da medida” da prisão e do confisco de bens. Como mostrou o Correio em 15 de abril, só R$ 46 mil foram confiscados das contas do ex-senador, apesar de a ordem ser de R$ 5 milhões. Ele é acusado de pedir R$ 35 milhões de empreiteiras a fim de blindá-las nas CPIs da Petrobras das quais participou em 2014, embora só tenha conseguido arrecadar
R$ 7,2 milhões.

“O bloqueio de ativos decretado por este juízo a pedido do MPF para recuperá-lo teve resultados pífios”, avaliou Moro, no ofício enviado a Teori, em que defendeu a manutenção da prisão do ex-senador. “Remanesce o risco para recuperação do produto do crime, tendo o paciente, em liberdade, melhores condições de ocultar seu patrimônio da ação da Justiça e de prosseguir em atos de lavagem de dinheiro.”

Interlocutores de Gim Argello ouvidos pela reportagem ontem consideraram a avaliação de Moro descabida por não ter nenhuma base em documentos. Segundo eles, há mais de um ano, o saldo da conta do ex-senador permanece o mesmo. Ou seja, não haveria nenhuma possibilidade de terem havido saques com a intenção de se prevenir um confisco futuro ou uma prisão.
 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com