DIMINUEM AS CHANCES DA ENI/GALP EXPLORAREM A BACIA DO ALENTEJO. QUINTA-FEIRA TEM OUTRO PROTESTO EM PORTUGAL

Meirelles não descarta aumento de impostos para equilibrar Orçamento de 2018
19/12/2017
Navio de toras de madeira é carregado no Porto Novo
19/12/2017

DIMINUEM AS CHANCES DA ENI/GALP EXPLORAREM A BACIA DO ALENTEJO. QUINTA-FEIRA TEM OUTRO PROTESTO EM PORTUGAL

FONTE PETRONOTÍCIAS – Matéria publicada em 19 de dezembro de 2017

Não teve jeito. Pelo andar da carruagem, não haverá exploração de petróleo na Bacia do Alentejo, em Portugal. O plano de trabalho apresentado pelo consórcio ENI/Galp, para prospeção de petróleo e gás naquela área  em 2018,  foi unanimemente rejeitado pelas autarquias das áreas afetadas.

As associações que lutam contra a intenção do consórcio convocaram para quinta-feira (21) um protesto em frente à Assembleia da República, enquanto pedem ao Poder Executivo que respeite a posição dos municípios. Para ser aceito, o plano de trabalhos de 2018, apresentado pelo consórcio  ENI/Galp em outubro, obrigaria a uma extensão do prazo para o início da prospeção, que termina no fim deste ano. Mas a autorização dessa extensão de prazo, em virtude de alterações na lei, obriga agora a consulta às autarquias dos territórios afetados. As seis câmaras envolvidas – Santiago do Cacém, Sines e Odemira, no Alentejo, e Aljezur, Vila do Bispo e Lagos, no Algarve – deram todas parecer negativo aos trabalhos.

O risco de acidente, o aumento de risco sísmico, o impacto negativo na pesca e no turismo e a necessidade global de se diminuir a emissão de gases com efeito de estufa foram os principais argumentos apresentados pelas câmaras contra o plano de trabalhos. Contudo, como o parecer não é vinculativo, a decisão está nas mãos do governo. No protesto agendado, as associações vão exigir a “anulação de todos os contratos de prospeção e exploração de petróleo e gás em vigor em Portugal”. Isto no mesmo dia em que, na Assembleia da República, vai ser discutida uma petição, apresentada pela Associação de Surf e Atividades Marítimas do Algarve, em que é pedida a anulação do Título de Utilização Privada do Espaço Marítimo emitido à ENI/Galp. O plano abrange as áreas concessionadas ‘Lavagante’ (Santiago do Cacém, Sines e Odemira), ‘Santola’ (Odemira, Aljezur e Vila do Bispo) e ‘Gamba’ (Vila do Bispo e Lagos).

 

 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com