Produção de terras-raras dará autonomia ao Brasil em alta tecnologia Agência Brasil

Metodologia mostra pontos positivos e críticos do negócio
08/12/2011
Norueguesa Subsea 7 fecha contrato de US$ 200 mi com Petrobras
08/12/2011

Produção de terras-raras dará autonomia ao Brasil em alta tecnologia Agência Brasil

O desenvolvimento da cadeia produtiva de terras-raras no Brasil será discutido hoje (7) no 1º Seminário Brasileiro de Terras-Raras 2011, promovido pelo Centro de Tecnologia Mineral (Cetem) do Ministério de Minas e Energia (MME) no Rio.

Embora apresente reservas estimadas de 3,5 bilhões de toneladas, o Brasil ainda mostra atraso na produção de terras-raras, avaliou, em entrevista à Agência Brasil, o pesquisador do Cetem Ronaldo Santos.

Compostos por 17 elementos químicos, os metais de terras-raras estão presentes em minérios como a monazita, a bastnaesita e a xenotima. Esses elementos conferem propriedades muito específicas aos materiais em que são utilizados, disse Santos.

“Eles são de vital importância na indústria  petrolífera. Sem eles, não há refino de petróleo, nem produção de derivados”. São importantes também em produtos de elevada tecnologia, em áreas como telecomunicações, geração e intensificação de imagens, produção de semicondutores e supercondutores, eletrodos dos automóveis elétricos e híbridos, ímãs de alto desempenho, indústria de informática, laser, fármacos, sistemas de orientação espacial e indústria bélica.

Considerando os produtos iniciais, precursores de toda a cadeia, pode-se dizer que o mercado mundial de terras-raras movimenta  hoje em torno de US$ 5 bilhões. Quando, porém, são levados em conta os números  movimentados no mundo em termos de  valor agregado, essa cifra pode ser multiplicada quatro ou cinco vezes, acrescentou o pesquisador do Cetem.

Embora exista a decisão do governo, por meio do MME e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação,  de considerar os elementos de terras-raras estratégicos para o país, intensificando, em consequência, sua produção, falta demanda, disse Santos. O problema, destacou, é  a falta de decisão das empresas de assumir o risco de iniciar a cadeia produtiva.

Ronaldo Santos lembrou que as pesquisas na área estão adiantadas. “A capacitação das instituições existe tanto nos institutos de pesquisa quanto na academia. O que não há é demanda de projetos para isso. Nos últimos 15 anos, não tivemos demanda praticamente de nenhuma empresa em relação a terras-raras, ou seja, um projeto que tenha início, meio e fim”.

As conclusões do seminário serão encaminhadas ao MME. Elas  deverão subsidiar a construção de uma agenda positiva para a implementação de uma política integrada para o setor. Ronaldo O pesquisador sugeriu que o estabelecimento de parcerias público-privadas (PPPs) poderia ser uma solução para iniciar a cadeia produtiva do setor no Brasil.

As reservas nacionais de terras-raras conhecidas estão localizadas nos estados de Minas Gerais e Goiás. Há também reservas que precisam de confirmação na região da Amazônia Legal, informou Santos. “É uma área sensível e exige que se faça um trabalho sistemático para a confirmação desses valores”.

 

 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com