Petroleiras no Brasil vão compartilhar planos de emergência

IBP: média de vazamentos no Brasil é inferior à mundial
20/12/2011
Ferro e petróleo são destaques do superávit comercial
20/12/2011

Petroleiras no Brasil vão compartilhar planos de emergência

A ideia é criar uma base de dados com informações de planos individuais de prevenção e contenção de acidentes, pelo qual as empresas poderão dividir bens e serviços, disse o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo (IBP), João Carlos de Luca.

“Vamos tentar facilitar o plano de auxílio mútuo, que funcionou muito bem no caso da Chevron”, afirmou de Luca. “Propusemos isso em comitê e estamos discutindo a maneira de estruturá-lo, em ação que vai se somar a outras ações do governo”, acrescentou, nesta tarde.

De Luca disse que após um consenso com todas as petroleiras envolvidas, a indústria deverá contratar uma empresa especializada para unificar os planos de emergência. Em alguns meses isso poderá ser levantado, segundo ele.

No caso vazamento do campo de Frade, ajudaram a Chevron a conter o vazamento Shell, Statoil, Repsol e BP, além da Petrobras, sócia da empresa americana na exploração da área. As empresas cederam à Chevron mangueiras, helicópteros entre outros equipamentos.

O governo, por sua vez, deve concluir a elaboração de um plano de contingência nacional para grandes acidentes, com a coordenação de atividades da ANP, Marinha e Ibama, entre outros órgãos.

Há também em andamento um plano das petroleiras, em âmbito internacional, para a criação de um novo equipamento para a prevenção de vazamentos. Além do blowout preventer, um equipamento que fecha o poço em situação de emergência, estuda-se a colocação de uma nova barreira para o óleo, que

entraria em ação em caso de acidente.

O IBP mostrou dados que mostram o Brasil melhor que outros países produtores de petróleo em ocorrências de vazamento.

Porém, os números apresentados apontam que o país piorou no último ano analisado, enquanto os outros evoluíram.

O índice de ocorrência de vazamento dobrou no Brasil de 2009 para 2010, para duas toneladas vazadas de petróleo para cada milhão de toneladas produzidas.

A média mundial, segundo o IBP, foi de 4 toneladas vazadas por milhão de toneladas produzidas em 2010, após um pico de 18 toneladas vazadas provocado por guerras e eventos atípicos no Oriente Médio em 2009.

O crescimento no Brasil, segundo o IBP, tem relação com o aumento da intensidade das atividades de exploração, impulsionadas pelas descobertas do pré-sal.

O vazamento de óleo em Angra dos Reis, na última sexta-feira, foi provocado por um navio que será transformado em plataforma para operar em Guará, um dos campos do pré-sal de Santos.

“O ano de 2010 foi atípico e nos levou a um 2011 com muito mais rigor”, afirmou Carlos Henrique Abreu, gerente de Meio Ambiente do IBP.

A multa de R$ 20 bilhões cobrada pelo Ministério Público Federal à Chevron foi precipitada, segundo o IBP. “Eles deveriam ter pelo menos um relatório antes de apresentar um valor”, disse De Luca.

 

Reuters News

 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com