Petrobras irá investir US$ 18,9 bilhões para elevar a produção em áreas da Bacia de Campos

Por causa da 57ª Fase da Operação Lava-Jato, Petrobras demite por justa causa funcionários envolvidos
06/12/2018
Em janeiro, Venezuela irá presidir a Opep
07/12/2018

FONTE TN PETRÓLEO – Matéria publicada em 05 de dezembro de 2018

Quase US$ 19 bilhões serão investidos pela Petrobras, nos próximos quatro anos, na Bacia de Campos, dentro da estratégia de se elevar a capacidade de produção das áreas do pós-sal, que há duas décadas sustentam metade da participação do Brasil no mercado internacional de óleo e gás.

Estes e outros números serão consolidados pela companhia na reunião desta terça-feira (4), que encerra as atividades da Rede Petro.

Para recuperar os ativos da área que representa a gêneses do petróleo nacional, e também que transformou Macaé na principal base das operações offshore do país, a Petrobras vai desenvolver 91 projetos focados no aumento do fator de recuperação de reservas mais antigas, implementando a chamada “revitalização dos campos maduros”, um movimento lançado pela prefeitura em parceria com a Associação Brasileira das Empresas de Serviços do Petróleo (Abespetro), na última edição da feira Brasil Offshore.

Presente no Plano de Negócios e Gestão 2018-2022, que será apresentado hoje na reunião da Rede-Petro, pelo gerente geral da Unidade de Operações da Bacia de Campos (UO-BC), Marco Guerra, essa nova estratégia inclui também a entrada de seis novos blocos exploratórios, adquiridos pela estatal na 14ª rodada de concessão da Agência Nacional do Petróleo (ANP), além de parcerias com outras operadoras offshore globais.

“É um campo muito importante para a retomada da indústria. São números que representam todos os esforços de se construir uma pauta sólida para o petróleo nacional, traçada ao longo dos últimos dois anos em Brasília, e que deve ser continuada pelos próximos quatro anos”, avalia o secretário executivo da Abespetro, Gilson Coelho.

A reunião de hoje da Abespetro segue uma tradição de 15 anos da instituição e que pauta as estratégias do setor de óleo e gás macaense, com base nos dados da Petrobras.

Fonte: O Debate, 05/12/2018

 

Comentários

comments

Os comentários estão encerrados.