Canadá abandona Protocolo de Kyoto para não pagar multas

Dificuldades desaceleram planos ambiciosos da Petrobrás no pré-sal
14/12/2011
Opep fixa produção total em 30 milhões de barris diários
14/12/2011

Canadá abandona Protocolo de Kyoto para não pagar multas

“Kyoto é o passado para o Canadá. Invocamos o direito legal para nos retirar”, declarou. Kent, que qualificou de “radical” o tratado que o Canadá assinou em 1997, acrescentou que para cumprir com seus compromissos com Kyoto, o país deveria retirar nos próximos 12 meses “todo tipo de veículo” de suas estradas ou eliminar a calefação em todos os edifícios do país. Kent também disse que o Canadá só está interessado em um pacto de redução de emissões se “todos os principais emissores” estiverem incluídos.

Desde que, em 2006, o governo do Partido Conservador do primeiro-ministro Stephen Harper chegou ao poder, o Canadá expressou sua falta de interesse em cumprir o Protocolo de Kyoto, especialmente para não afetar o desenvolvimento das jazidas petrolíferas da província de Alberta. O setor considera que as jazidas de areias betuminosas constituem as segundas maiores reservas de petróleo do mundo, depois das da Arábia Saudita, e o governo de Harper expressou a vontade de acelerar sua exploração.

A TV estatal CBC disse que a decisão do Canadá de abandonar o Protocolo lhe economizará até 7 bilhões de dólares canadenses (mais de R$ 12 bilhões) em multas pelo descumprimento dos compromissos de redução de emissões de gases do efeito estufa.

A renovação do Protocolo de Kyoto
O primeiro período de compromissos do Protocolo de Kyoto, único instrumento legalmente vinculante até o momento para a redução de emissões de gases do efeito estufa, expira em 31 de dezembro de 2012. A Cúpula das Partes de Durban (COP-17) obteve a aprovação de um segundo período deste tratado, que fixa obrigações de redução de emissões aos países desenvolvidos, exceto aos Estados Unidos, que se recusaram a aderir ao Protocolo.

Durban fixa para 2013 a data de início do segundo período de compromissos, evitando um vazio na luta contra a mudança climática, mas deixando para reuniões posteriores sua data de finalização – 2017 ou 2020. O Canadá, assim como Japão e Rússia, já havia antecipado sua intenção de não renovar Kyoto e fica de fora do segundo período de compromissos.

O aumento de metas de redução de emissões que devem ser realizadas pelos países desenvolvidos será postergado para 21 de junho de 2012 e será avaliado na COP-18 do Catar.

Além da renovação do Protocolo, a COP-17 conseguiu a criação do Fundo Verde – um caixa financeiro de US$ 100 bilhões anuais disponíveis, a partir de 2020, com dinheiro fornecido pelos países ricos. O objetivo é ajudar as economias em desenvolvimento a financiar ações para reduzir suas emissões de gases-estufa e combater as consequências da mudança climática.

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com