Acusações sobre descumprimento de norma são tentativas de enfraquecer Posidonia, diz Usuport-RJ

Terminal Multicargas do Porto do Açu movimenta um milhão de toneladas
03/05/2018
Ministro do STF amplia decisão que quebrou sigilo fiscal de Aécio
04/05/2018

Acusações sobre descumprimento de norma são tentativas de enfraquecer Posidonia, diz Usuport-RJ

FONTE PORTOS E NAVIOS – Matéria publicada em 03 de maio de 2018

A Associação dos Usuários dos Portos do Rio de Janeiro afirmou que as recentes acusações à Posidonia Shipping relacionadas ao descumprimento da norma de afretamento tiveram propósito de manchar o nome de sua associada perante o mercado.

Em nota, a Usuport-RJ considerou que a citação da Posidonia foi uma “tentativa de acabar com a empresa”. A entidade acrescentou que o mesmo parece ter ocorrido com a Zemax Log, pois a empresa também questionou “grandes interesses econômicos” que seriam representados pela resolução normativa (1/2015), que trata do afretamento de embarcações na cabotagem brasileira.

Em carta enviada ao Senado na semana passada, a Associação dos Servidores Efetivos das Agências Reguladoras Federais (ANER) havia apontado que a Posidonia e a Zemax pertencem ao setor regulado, mas não atendem às resoluções que regulam os serviços de afretamento e permanecem operando por meio de liminares. No caso da Posidonia, a ANER afirmou na carta que a empresa acusou servidores da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) de formação de cartel na tentativa de enfraquecer a regulação promovida pela autarquia.

A Usuport-RJ também negou que a Posidonia tenha contratado serviços de consultorias de uma ex-servidora que estaria atuando na agência, conforme apontado pela ANER na carta. A entidade diz ter levantado que ela foi exonerada de seu cargo, desvinculada da Antaq e que não estaria recebendo vencimentos. A Usuport-RJ entende que, ainda que a Posidonia tivesse tomado os serviços de consultoria dessa ex-servidora, ela estaria dentro dos princípios da legalidade e da moralidade. Fontes dizem que essa ex-servidora não tem sido mais vista na sede da agência.

A associação citou outros episódios em que a ANER foi criticada por ter falado em nome dos servidores de outras agências. A Usuport-RJ considerou que o posicionamento da ANER desta vez foi uma tentativa de fazer um link com o inquérito do Ministério Público Federal de Brasília (MPF-DF) que investiga um suposto esquema entre empresas que prejudicaria a atuação da Posidonia na cabotagem. “A Usuport-RJ trabalha sobre fatos e tem o mais profundo respeito pela entidade Antaq, reconhece sua importância para o país e sabe que seus servidores — exceto os investigados — são extremamente qualificados e têm grandes espíritos públicos”, comentou a associação em nota.
Por Danilo Oliveira

(Da Redação)

 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com