A importância da logística para o sucesso da copa 2014

PF investiga Chevron, após denúncia de uso de areia para conter vazamento Petroleira diz usar métodos aprovados pelo governo para conter vazamento
03/11/2011

A importância da logística para o sucesso da copa 2014

A logística atual do país é ineficiente em diversos segmentos. Para a copa do mundo, esta é uma área estratégica que contribui para a obtenção de sucesso neste tipo de evento complexo. O fato é que a FIFA, órgão que controla o futebol mundial, possui um manual de regulamentação de segurança, onde é bem clara em relação à logística no tocante a facilitação do acesso aos estádios, por meio de sistemas de transporte eficientes. Temos dois modos de transportes essenciais a considerar, o aeroportuário e o ferroviário.

O setor aeroportuário não consegue atender de forma satisfatória a demanda interna. É importante destacar também que a cada ano o número de passageiros (demanda) cresce a uma taxa bastante atrativa para as companhias aéreas em torno de 20% ao ano. Isto contribui para que o fluxo de passageiros fique cada vez mais complexo, um exemplo que retrata esta situação é a falta de capacidade operacional em praticamente todos os aeroportos do país, principalmente em relação ao gerenciamento de filas em que é feito de uma forma muito ineficiente. A IATA, (Associação Internacional de Transporte Aéreo) relata que 13 aeroportos brasileiros estão saturados e sem previsão de investimento.

Agora, somando a operação atual dos aeroportos que deixa a desejar para os passageiros brasileiros, com o aumento da demanda nacional nos próximos 3 anos, mais a demanda de passageiros estrangeiros, teremos que começar as obras de infra-estrutura logística o mais rápido do possível, na verdade já era para ter começado anos atrás. Os investimentos e a efetiva operacionalização dos diversos projetos logísticos necessários, não são triviais para ser implementado em curto prazo, necessita-se de estudos e pesquisas para mensurar os impactos em termos de custos e retorno.

Outro gargalo logístico reside na rede de transporte público, que é essencial para a maior parte da população realizar grande parte de suas atividades, desde o trabalho até o lazer. Nas metrópoles, principalmente em São Paulo, o sistema de transporte público, especificamente o ferroviário, salvo raras exceções, é um modo saturado. A Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), que são alternativas para quem não quer enfrentar o congestionamento das ruas, avenidas e rodovias, no horário de pico, possuemaltas taxas de ocupação por metro quadrado. Por exemplo, no Metrô na linha verde 6,5 passageiros por metro quadrado e na linha vermelha 10 passageiros por metro quadrado no horário de pico. Estes números estão acima do padrão internacional de tolerância que no caso é de 6 passageiros por metro quadrado.

Essas duas grandes áreas da logística, setor aeroportuário e ferroviário, é essencial para o desenvolvimento do país e principalmente para otimizar o fluxo de passageiros em época de grandes eventos. Mas o déficit logístico para a copa do mundo não se restringe apenas a isto. É necessário considerar a infra-estrutura logística no entorno do estádio. Novamente, recorrendo ao manual da FIFA que regulamenta as condições de segurança, temos que considerar diversos aspectos importantes, como o desenvolvimento de pontos de entrada e saída que facilite o fluxo de pessoas e veículos ao redor do estádio, assim bem como as rotas de evacuação. A logística se faz presente também quando pensamos na acessibilidade para todos os tipos de torcedores, principalmente os que possuem necessidades especiais.

Portanto, percebemos que a Logística é fundamental para que aCopa do Mundo de 2014 possa ser realizada de uma forma eficiente no Brasil. Assim, é necessário ter a visão da importância estratégica que esta área assume em que temos diversas atividades desde simples até complexas que envolvem a chegada e saída dos torcedores, atletas e suas delegações, assim como a necessidade de dimensionar estes fluxos de uma maneira eficiente. Ao mesmo tempo em que percebemos oportunidades de grandes investimentos nesta área, temos que nos preocupar com a lentidão dos tomadores de decisão.

*Maciel Manoel Queiroz é professor das FaculdadesIntegradas Rio Branco e Universidade Braz Cubas; Mestre em Engenharia Naval e Oceânica pela POLI/USP, especialista em logística pelo Mackenzie e administrador pelo Centro Universitário de Santo André.

Fonte: Ricardo Viveiros – Oficina de Comunicação

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com