90% dos trabalhadores de obras da Olimpíada já foram demitidos

GOVERNO QUER LIBERAR VENDA DE TERRAS AGRÍCOLAS A ESTRANGEIROS
20/08/2016
PETROBRÁS INICIARÁ PRODUÇÃO EM 39 POÇOS MARÍTIMOS DURANTE SEGUNDO SEMESTRE
20/08/2016

90% dos trabalhadores de obras da Olimpíada já foram demitidos

FONTE CBN – Matéria publicada em 20 de agosto de 2016

Foto: Obras no Galeão, linha 4 do metrô e VLT no Rio. Crédito: André Coelho / CBN

Dos mais de 20 mil trabalhadores das obras de infraestrutura, cerca de 18 mil já foram dispensados. A maior preocupação da categoria é com a ausência de novos projetos.

Por Bárbara Souza (barbara.souza@cbn.com.br)

Com o término da Olimpíada do Rio, também chegam ao fim as principais obras que moveram a cidade durante os preparativos. Dos cerca de 21 mil trabalhadores envolvidos nas maiores contruções ligadas aos jogos, sendo 30% de fora do estado, mais de 9,3 mil foram demitidos apenas este ano. O número já ultrapassa as 8,7 mil demissões realizadas no setor em 2015, segundo o sindicato da categoria. Os três mil operários que ainda estão empregados não devem se manter em seus empregos por muito tempo, já que mais vagas devem ser fechadas assim que os últimos ajustes das obras forem concluídos. Diretamente afetados, os operários demitidos precisam improvisar para garantir o sustento de suas famílias. É o caso de Carlos Alberto de Oliveira que, após seis meses de trabalho na obra do BRT Transolímpico, ficou desempregado. Carlos Alberto já sabia que a obra tinha data para acabar e guardou parte do dinheiro recebido. Mas enquanto não encontra um novo emprego, improvisa fazendo bicos e pequenos serviços domésticos.

‘Se tivesse outra obra, iam me tranferir. Mas como está ruim de serviço, acabamos voltando para casa. Mas enquanto eu não alcanço meu objetivo, vou explorando outras áreas. Não tenho medo de trabalhar: seja capinar ou varrer’.

As obras que geraram mais empregos no Rio foram as de infraestrutura de transporte, como o metrô, BRT, aeroporto do Galeão e VLT. As arenas olímpicas também empregaram muita gente. No total, mais de 30 mil trabalhadores foram mobilizados. Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil Pesada, Nilson Duarte Costa, é normal o operário perder o emprego após o término de uma obra. No entanto, o que mais preocupa no momento é a falta de perspectiva de novas construções em meio à crise econômica e aos impactos da Operação Lava Jato.

‘A gente está muito preocupado. Está havendo um desemprego muito grande, estão mandando a maioria dos trabalhadores embora e não há perspectiva de novos empregos. O problema é que tudo começou com a Lava-jato’.

De janeiro a junho, a capital fluminense perdeu mais de 17 mil postos formais de trabalho no setor da construção civil, o maior corte entre as cidades do país, de acordo com o Ministério do Trabalho. Somando os postos perdidos em 2015, são quase 30 mil vagas formais a menos em 18 meses. De acordo com Guilherme Póvoas, porta-voz do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil do Rio, as obras ligadas à Olimpíada apenas adiaram os impactos da crise econômica sobre o setor no estado. Ele afirma que, após uma década muito movimentada, o que se observa agora é uma grande paralisia.

‘As construtoras diminuíram os investimentos, elas tinham empreendimentos para lançar e deixaram de fazer isso. Estão sofrendo muito com os destratos, que são os cancelamentos das compras de apartamentos. A geração de empregos sofre’.

Além dos operários que atuaram nas obras de infraestrutura, cerca de 90 mil profissionais foram contratados para vagas temporárias no Rio, de acordo com o Comitê Rio 2016. Muitas dessas vagas também devem ser fechadas, afetando outros setores como o de hotéis, bares e restaurantes. Para o presidente do sindicato que representa a categoria, Pedro de Lamare, o período olímpico serviu para aliviar um pouco a crise que já afetava o setor. Mas ele acredita que depois dos jogos, a situação voltará à dificuldade de antes.

‘A gente tem um estado numa situação financeira dificílima. A perspesctiva é continuar com as mesmas dificuldades de antes, mas com o caixa melhorado’.

A alta expressiva das demissões também se reflete na Justiça do Trabalho. O juiz Fabio Correia Luiz Soares afirma que foi registrado um aumento de 10% nas ações de funcionários demitidos contra suas antigas empresas. Segundo ele, a maioria dos processoe é de trabalhadores da construção civil que buscam o pagamento da recessão, do fundo de garantia e de outros direitos.

‘Isso preocupa o estado, os trabalhadores e a Justiça do Trabalho. As demandas não param de chegar. São muitos trabalhadores abrindo processos para tentar receber esses valores’.

O economista Gilberto Braga, professor de finanças do Ibmec, recomenda que quem não conseguir continuar no setor de construção civil, por exemplo, faça cursos profissionalizantes para se adaptar às novas demandas do mercado.

Ainda de acordo com o economista, manter o mercado de trabalho da construção civil em alta depende do reaquecimento do mercado imobiliário do Rio e da recuperação do setor petroleiro, o que pode impulsionar a retomada de obras como as do Complexo Petroquímico em Itaboraí, na Região Metropolitana. Mas tudo isso também está ligado à solução da crise econômica do país.

http://cbn.globoradio.globo.com/grandescoberturas/rio-2016/2016/08/20/90-DOS-TRABALHADORES-DE-OBRAS-DA-OLIMPIADA-JA-FORAM-DEMITIDOS.htm

 

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com