Desemprego cresce em todas as regiões do país no segundo trimestre

TECHNIP E DOF ENTREGAM EMBARCAÇÃO DE APOIO PARA A PETROBRÁS
17/08/2016
SENADO DEBATE VENDA DE ATIVOS DE GÁS DA PETROBRÁS
17/08/2016

Desemprego cresce em todas as regiões do país no segundo trimestre

FONTE MSN – 17 de agosto de 2016

Foto: © Foto: Divulgação No Sudeste, taxa avançou de 8,3% para 11,7%.

A taxa de desocupação subiu em todas as grandes regiões do país no segundo trimestre do ano em relação ao mesmo período de 2015.

No Norte, pulou de 8,5% para 11,2%; no Nordeste, de 10,3% para 13,2%; no Sudeste, de 8,3% para 11,7%; no Sul, de 5,5% para 8%; e no Centro-Oeste de 7,4% para 9,7%. As taxas são as mais altas para cada região já registradas pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, que teve início em janeiro de 2012.

A taxa geral, divulgada pelo IBGE no fim de julho, ficou em 11,3% no trimestre encerrado em junho. A taxa é a maior já registrada pela série histórica da Pnad. A população desocupada cresceu 4,5% em relação ao primeiro trimestre e chegou a 11,6 milhões de pessoas. Já na comparação com o 2º trimestre de 2015, o aumento foi de 38,7%.

Entre as unidades da federação, as maiores taxas de desocupação no segundo trimestre de 2016 foram observadas no Amapá (15,8%), Bahia (15,4%) e Pernambuco (14%), todas com taxas bem acima do índice geral. Já as menores taxas ficaram em Santa Catarina (6,7%), Mato Grosso do Sul (7%) e Rondônia (7,8%), que tiveram índices abaixo do resultado Brasil. Todas as unidades, exceto Roraima, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal, registraram as maiores taxas de desemprego para o estado desde o início da pesquisa.

O nível de ocupação, que o indicador que mede a parcela da população ocupada em relação à população em idade de trabalhar, ficou em 54,6% para o Brasil no 2º trimestre de 2016. As regiões Nordeste (48,6%) e Norte (54,4%) ficaram abaixo da média do país. Nas demais regiões, o nível de ocupação foi de 59,1% no Sul, 59,2% no Centro-Oeste e 56,1% no Sudeste.

Entre os estados, Mato Grosso do Sul (61,1%), Santa Catarina (59,4%), Paraná (59,2%) e Goiás (59,2%) apresentaram os maiores percentuais, enquanto Alagoas (42,9%), Pernambuco (46,6%) e Rio Grande do Norte (47,2%) apresentaram os níveis de ocupação mais baixos

No segundo trimestre de 2016, os percentuais de empregados no setor privado com carteira de trabalho nas grandes regiões ficaram acima da média Brasil, que foi de 77,3%, no Sul (85,4%), no Sudeste (82,7%) e no Centro-Oeste (77,5%). E ficaram abaixo no Norte (61,5%) e Nordeste (62,2%).

Santa Catarina (89,7%), Distrito Federal (86,2%), Rio de Janeiro (85,7%) apresentaram os maiores percentuais de empregados no setor privado com carteira de trabalho, enquanto Maranhão (51,8%), Piauí (52,3%) e Pará (57,4%) apresentaram os menores.

O rendimento médio real habitual dos trabalhadores ficou acima da média do Brasil (R$1.972) nas regiões Sudeste (R$ 2.279), Centro-Oeste (R$ 2.230) e Sul (R$ 2.133), enquanto Norte (R$ 1.538) e Nordeste (R$ 1.334) ficaram abaixo da média.

O Distrito Federal apresentou o maior rendimento (R$ 3.679), seguido por São Paulo (R$ 2.538) e Rio de Janeiro (R$ 2.287). Os menores rendimentos foram registrados no Maranhão (R$ 1.072), Bahia (R$ 1.285) e Ceará (R$ 1.296).

A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados (R$ 174,6 bilhões para o país com um todo) ficou em R$ 90,4 bilhões na região Sudeste, em R$ 29,8 bilhões no Sul, em R$ 28,0 bilhões no Nordeste, em R$ 16,2 bilhões no Centro-Oeste e em R$ 10,2 bilhões no Norte.

No 1º trimestre de 2016, as taxas haviam sido de 12,8% no Nordeste; de 11,4% no Sudeste; de 10,5% no Norte; de 9,7% no Centro-Oeste; e de 7,3% no Sul. No trimestre encerrado em março, o índice de desemprego foi de 10,9% e no período de abril a junho de 2015, de 8,3%.

Compartilhe Isso:

Comentários

comments

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com